(Foto: Reprodução)

 

Um caminhoneiro flagrou, nesta terça-feira (14), três ciclistas ‘pegando rabeira’ atrás de uma carreta na BR-277 sentido Ponta Grossa. Segundo Anselmo Gequelin, de 40 anos, essa é uma prática bastante comum nas rodovias do estado.

“Isso acontece todos os dias e hoje deu certo de eu gravar. Esse tipo de coisa é mais frequente no trecho da serra, que liga Curitiba e Paranaguá, principalmente nos fins de semana. É raro eu seguir viagem sem ver nenhum ciclista pegando rabeira em caminhão”, comentou Anselmo, que é caminhoneiro há 22 anos, em entrevista à Banda B.

Ele defende que as rodovias são lugares muito perigosos para os ciclistas, que se arriscam compartilhando as estradas com carros e caminhões. “Volta e meia eles ultrapassam pela faixa dos automóveis e a gente tem que fazer manobras arriscadas para evitar acidentes. Eu acho que falta conscientização, porque também sou ciclista nos fins de semana, mas procuro andar mais no interior, longe das rodovias”, completou.

A Associação de Ciclistas Cicloiguaçu concorda que pegar rabeira ou vácuo em outros veículos é uma atitude perigosa e desnecessária. O técnico de edificações Josué Valério, de 50 anos, que integra o grupo, defende que o ciclista deve priorizar a segurança sempre. “No caso flagrado, o trio está atrás de uma carreta que pode estar a 90 ou 100 km/h. Se, por um momento, o caminhoneiro pisar no freio, eles serão engolidos. É muito perigoso”, afirmou.

De acordo com ele, no entanto, esse tipo de prática é feita apenas por alguns ciclistas, enquanto a maioria não se arrisca e segue as regras de trânsito. “Nós sempre passamos as orientações de segurança, mas claro que sempre haverá pessoas que tomam ações inadequadas. Apesar disso, acredito que as coisas já melhoraram muito, com as discussões sobre mobilidade e os carros dando espaço para a bicicleta nas ruas, e devem melhorar ainda mais”, comentou.

Dicas de segurança

O policial rodoviário federal Fernando Oliveira alertou sobre os perigos de pegar rabeira, principalmente nas rodovias. “É uma situação que acontece eventualmente, não apenas o ciclista pegando rabeira, mas também o vácuo de alguns veículos em alta velocidade. Isso quer dizer que, com qualquer frenagem abrupta, a pessoa corre o risco de colidir contra a traseira do caminhão. Ou até mesmo uma pedra ou buraco no caminho podem derrubar o ciclista”.

A orientação, então, é usar o acostamento sempre o mais próximo à direita possível. “Além disso, é melhor evitar que grupos grandes andem lado a lado, mesmo no acostamento, porque quem estiver mais à esquerda corre maior risco de ser atingido por um carro”.

É preciso prestar atenção também em saídas ou alterações das rodovias, onde o acostamento se confunde com as alças de acesso, ou em trechos em que as margens viram faixas adicionais de trânsito. “Embora não haja multa ou uma forma efetiva de coibir esse tipo de ação, é preciso tomar cuidado”, finalizou.

Vídeo

Assista abaixo ao vídeo do caminhoneiro: