A moradora do prédio que explodiu no bairro Água Verde, em Curitiba, e o técnico que realizava um serviço de impermeabilização em um sofá da residência receberam alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Evangélico. Raquel Cristine Lamb, 23 anos, e Caio Santos, 30, estavam internados na ala de alta complexidade desde o dia da explosão, há quase duas semanas.

 

Explosão no apartamento aconteceu no último dia 29. Foto: Banda B

 

A jovem recebeu alta da UTI na terça-feira (9), permanece em um quadro delicado, mas estável e respira sem ajuda de aparelhos, segundo boletim oficial do Evangélico. Ela teve 55% da superfície corporal queimada. Já o técnico recebeu alta nesta quarta-feira (10) e também respira sem ajuda de aparelhos. Ele possui 65% da superfície corporal queimada. Gabriel fará a troca de curativo e debridamento normalmente nessa quinta-feira (11).

Gabriel Araújo, 29 anos, marido de Raquel, não precisou de cuidados intensos e permanece internado em um quarto da unidade hospitalar. O irmão caçula de Raquel, Mateus Lamb estava em um dos cômodos quando a explosão aconteceu, foi arremessado do sexto andar e não resistiu aos ferimentos.

A explosão aconteceu na rua Dom Pedro I, no apartamento do casal durante um serviço de impermeabilização, no último dia 29.

  • Polícia apreende rótulos falsos em empresa envolvida em explosão no Água Verde
  • Impermeabilização de sofá teria causado explosão no Água Verde; prédio está interditado
  • Corpo de menino arremessado durante explosão em apartamento é sepultado

Prédio

A Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) confirmou, na tarde desta quarta-feira (10), que a estrutura do prédio não foi danificada após a explosão ocorrida dentro de um apartamento. O laudo, que foi contratado pelo condomínio e enviado à Cosedi, mostra que “não houve abalo nas estruturas de concreto do imóvel”.